quinta-feira, 18 de abril de 2013

S.O.S.

Alguém teria mais informações sobre essa desconhecida banda de Joinville?

Jornal "A Notícia"
23 de Maio de 1990

6 comentários:

  1. A SOS esteve na ativa até 1993. Além da apresentação que marcou a estréia da SOS no cenário Joinvillense, a banda fez diversas apresentações no Baturité (Video Bar), Rumpapá, Plataforma, Festival da Cultura do Colégio Bom Jesus (FestCult) e certamente o auge foi dividir o palco com ATRITO, Invasão Básica e Núcleo Sul em Show promovido pela JovemPan na praça Dario Salles lotada.

    ResponderExcluir
  2. Graças ao ATRITO, H2O e Invasão Básica que abriram as portas das rádios de Joinville para as bandas locais, a SOS gravou suas composições em estúdio, que tocavam nas programações das rádios da cidade e certamente dentre as músicas da SOS a mais tocada era "Minoria" de autoria de Germano Bush. As bandas de Joinville tinham muito apoio dos ouvintes das rádios e eram muito tocadas na programação.

    ResponderExcluir
  3. A SOS tinha como diferencial para as bandas da época, um SAX tocado pelo Cebola que depois foi para o John Bala Jones de Floripa, e um Trompete tocado pelo Renato (ex Uns e Outros do RJ) que revezava o Baixo com o Germano nas músicas que não tinham trompete. Os metais entravam em ação principalmente em covers dos Paralamas do Sucesso, Titãs, Men At Work, dentre outros covers, além é claro das nossa próprias composições, fazendo no sopro o que as outras bandas só conseguiam fazer quando tinham teclados. Sempre com duas guitarras onde eu e o Cristian nos revezávamos entre solo e base dando muito mais timbre as músicas do que as bandas que usavam um só instrumento. Todos estes instrumentos somados ao Rafael nos teclados a SOS conseguia tocar praticamente tudo que gostávamos de ouvir na época dentre eles: The Cure, U2, The Doors, Led Zeppelin, Irá, Plebe Rude, Legião Urbana, Titãs, Paralamas, Guns `n Roses, ACDC, MidNight Oil, The Sisters of Mercy, Spy, REM, Dire Straits e etc...

    ResponderExcluir